Tuesday, November 08, 2005

Outra vez, contra o futebol moderno!

Ia escrever sobre o Benfica - Rio Ave, mas reparei que ao escrever qualquer crónica farei desaparecer da página inicial deste blog o meu texto de 21 de Agosto "Contra o Futebol Moderno!". Não me vou fazer de falso modesto e orgulho-me do que escrevi nessa noite. E apereceber-me que esse texto ia "desparecer" foi o ponto de partida para mais umas reflexões sobre o estado das coisas:
Desde dia 21 de Agosto, dia em que escrevi esse texto - que me orgulho de dizer que foi difundido em vários sites - o que é que mudou? Basicamente... nada.
Quer isto então dizer que não chegou aos Ultras portugueses...
- A deixa do Carvalhal
- A deixa do Couceiro (esta muito recente, é certo)
- O facto de uma das claques do Vitória de Setúbal ter sido impedida de entrar no seu próprio estádio
- O facto das claques do sporting terem sido mal-tratadas pela imprensa desportiva antes de terem feito uma manifestação...perfeitamente pacífica

.... para se fazer alguma coisa. Podemos entrar em guerras pueris e preciosismos, valorizando as frases de agradecimento ao Carvalhal por parte dos Diabos e da Fúria Azul (lamento, mas não me lembro de muito mais. Estava no Inter Rail, lamento.). São, de facto, valorizáveis, mas... adiantaram alguma coisa?

Grande passo no caminho que culmina neste texto, é justamente outro texto: "O dia em que o Futebol morreu", no blog do GR1904 (ver links no post abaixo). Apercebi-me, nesse texto brilhante (outra e outra vez parabéns, meu caro) que o que está em causa já não é só o meu desporto e o meu clube. É também a minha liberdade.
Porque assim como é um atentado à liberdade o facto dos polícias terem um livre trânsito para nos fazerem o que quiserem (o amigo do GR teve os tomates apalpados, a C. teve que deitar o baton do cieiro - esse míssil - fora, eu já tive que, entre outras, reinvindicar o direito de levar moedas para o estádio, reinvindicar o direito de levar um livro que tinha levado na viagem para o estádio ("serve para ler", expliquei ao polícia, enquanto o folheava à frente dele) e todos nós havemos de ter histórias para contar. Já nos habituámos, não é verdade? Mas não devíamos e não devemos...), também é um género de fascismo o facto dos dirigentes terem o direito de fazer do nosso clube o que quiserem, independentemente da sua cor clubística ou do que prometeram... Já nos habituámos? Também não devíamos...
E entretanto cá vamos andando, contentes com os restos que nos sobram. Com o bom do jogador do Vitória que cantou pelos colegas e com os poucos jogadores bandeira que ainda restam. (nota para o facto de nem Simão, nem Baía nem Sá Pinto terem sido do clube que agora capitaneiam (conjuga-se assim?) quando eram pequenos....)
O que me preocupa é que desde 21 de Agosto os Ultras lusos nada fizeram e pior... habituaram-se. Pior ainda! adaptaram-se!! Roubam-se faixas com armas, canta-se pela polícia quando bate em claques adversárias, há uma promiscuidade horrível entre claques e dirigentes... O que é que isto tem a ver com... Ser Ultra? No que é que isto nos guia para uma luta contra o futebol moderno?
Será que "ACAB", "Contra o Futebol Moderno!" não são também já quase uma marca para se usar na t-shirt do que propriamente verdadeiras palavras de ordem?

Vou ser mais explícito: eu, sozinho, não vou muito longe. A única coisa que posso fazer é tentar chatear o pessoal do meu grupo e quem tiver a paciência de ler estes desabafos.
Há por aí mais alguém interessado?

Não é uma marca de roupa, não é um lugar comum, não é mais um pano a ser proibido de entrar no estádio, é mesmo um apelo contra o futebol moderno. E contra os "ultras modernos".

Para que eu um dia não tenha de torcer por um "Sport Lisboa e siemens e Benfica" e vocês por um "futebol clube do porto e da singer" ou "sporting clube de portugal e da nestlé" e por aí adiante.

Cumprimentos.

4 Comments:

Blogger zé carlos said...

Grande texto ! Sou leitor assiduo deste teu blog com já o referi anteriormente e apesar de sermos de clubes diferentes , revejo-me em algumas coisas que escreves e este texto é exemplo disso. Mais uma vez estás de parabens ! Que todos os ultras se unam em prol de um objectivo : o apagar do futebol moderno.

Um abraço sincero.
Mais uma vez parabéns !

3:39 PM  
Blogger GR1904 said...

Brilhante é o que tu escreves. Eu limito-me a dizer o que me vai na alma, o que penso e a partilhar alguns episódios e estórias que possam ajudar os mais novos (ou os mais recentes neste mundo) a aperceberem-se de como as coisas eram antigamente. Tu tens a capacidade, não só de fazer isso, como também de falar por todos nós sem que nos comprometas. Precisamente porque dizes o que todos nós pensamos na larga maioria das vezes e isso é que é brilhante.

Abraço!

4:23 PM  
Blogger Pedro said...

As claques têm muito mais poder do q pensam. É preciso é ter tomates para agir convenientemente.
Gostava de ver, durante umas 5/6 jornadas, os estádios sem claques. TODAS as claques...
Utópico? Pois...então não se queixem...

Ontem vi imagens do resumo do jogo Ascoli-Fiorentina, bancadas vazias, presumo eu por causa do castigo ao Ascoli. Podia estar cheio q sem as claques o ambiente seria practicamente o mesmo, frio, cinzento.
q as claques se unam para mostrar isso..

Enquanto preferirem sustentar chulos q se pavoneiam em porches e afins...

8:37 AM  
Blogger Paulo(EnRiCo_MaRiOtTi) said...

N tem mt haver com esta noticia mas para mts como eu q acompanham o mundo ultra, especialmente o italiano penso q esta é uma noticia que deixará muita gente triste:
COMUNICADO
Não pretendiamos escrever um comunicado na sequência dos acontecimentos ocorridos no Milan-Juve, porque nestas ocasiões não costumamos responder através destes meios e, por isso, também não faremos agora qualquer comunicação sobre os factos. Limitámo-nos a dizer que algumas informações parciais podem fazer pressupor as mais ignóbeis infâmias, que interessam a quem pretende colocar-se em posição de vantagem. Mas até uma acusação tem de ser objectiva e pertinente, e não ambígua e evasiva, caso contrário torna-se uma delação.
Esta história colocou em evidência pontos de vista divergentes e irreconciliáveis a nível interno na nossa curva. Os quais, mesmo após discussão, revelaram-se insanáveis. Por isso decidimos, em conjunto, tomar a amarga mas orgulhosa decisão de nos dissolvermos, encerrando a maravilhosa aventura da FOSSA DEI LEONI.
Não é nossa intenção utilizarmos este comunicado para nos defendermos das acusações que nos fazem, porque quem teve a honra de conhecer ou defrontar a FOSSA DEI LEONI não poderá em nenhum momento imaginar que sejamos responsáveis daquilo que nos têm atribuído.
Durante 37 anos, todos os rapazes que fizeram parte da FOSSA DEI LEONI partilharam dos valores e espírito dos fundadores, e levaram-na adiante com paixão, dedicação e uma convicção inigualáveis, abrindo caminho para todas as gerações sucessivas que mantiveram vivo um fio condutos sem interrupções.
Foi esta a nossa fortuna, a nossa força, as nossas conquistas e todos nós, ainda hoje, chegado este dia que jamais tinhamos imaginado, devemos estar felizes e orgulhosos de termos feito parte da FOSSA DEI LEONI. Hoje, a sua história termina, mas mantém-se viva dentro de cada um de nós que temos os seus valores e espírito como marca de distinção.
Obrigado a todos.
FOSSA DEI LEONI

12:57 AM  

Post a Comment

<< Home