Friday, December 14, 2007

Do Benfica - Porto de 92/93 até aos dias cinzentos de hoje. Reflexões de um fanático racional.

(para o Isso me envaidece..., pelas milhares de conversas Benfiquistas que já trocámos)

Tinha 9 anos e estava na cozinha, a ouvir o jogo na rádio. A tensão do jogo sentia-se. Lembro-me que estava sozinho e que me mexia de um lado para o outro, sempre nervoso quando não tínhamos a bola. Sentia-me o corpo todo também a jogar, enquanto olhava para cima do frigorífico, à espera que o rádio me desse boas novas. Sentia-me mal, como se também eu sentisse a pressão do antigo tribunal das antas.
Timofte marcou de livre para meu desespero. O Benfica, com 10, empatou por Mostovoi mesmo à beira do fim. Os 30 minutos de prolongamento foram um massacre azul e branco como escrevia o Record (penso eu) no dia a seguir e acabei o jogo a suar, cansado, tanto que nem consegui logo contar o jogo ao meu Pai quando chegou a casa.
Uns dias depois, o Benfica, numa doce exibição (penso que no jogo de apresentação do Futre) ganhava 2-0, com um golaço do Profeta Isaías e um penalty de Yuran.
Vi os dois jogos na RTP memória, há uns dias, e foi como percorrer 14 longos e dolorosos anos.
O futebol era diferente e, para mim, bem melhor. É certo que os 14 anos a perder ajudam, certamente, a tal avaliação. Mas mesmo para os azuis, há ali uma mística, um jogar "à Porto" que nem os de Mourinho tiveram. O futebol era diferente. O português então, nem se fala. Sem a lei Bosman, os três grandes portugueses e mesmo o Boavista, eram temidos na Europa. Os Benfica - Porto e Porto - Benfica eram escaldantes, era uma coisa demasiado séria para poder ser recordada sem a tensão daquela tarde nas Antas e na minha cozinha.
O Benfica alinhou nas Antas com Neno, José Carlos, Mozer, Hélder, Veloso, Schwartz, Kulkov, Isaías, Paneira, JVP e Rui Águas. Chega a doer, mas a doer mesmo, que ainda restavam no banco apenas e só Paulo Sousa, Rui Costa, Yuran, Mostovoi e ainda nessa época Futre. Pensar que José Carlos era o elo mais fraco da equipa, dado que nos enterrou em Camp Nou, é uma brincadeira de mau gosto. Nos anos negros e até hoje, só um rapaz que hoje joga num clube espanhol talvez tenha feito tão bem o lugar. Quanto ao resto, estamos a falar de craques.
Aqueles que levam gente ao estádio, que fazem do futebol um desporto mágico.
Mas o meu respeito por aquele jogo engloba uns rivais que - apesar de toda a "fruta" que os fez subir na vida - eram gente que jogava com uma garra deles, para defender os deles. O Porto daquela altura era uma equipa cínica, com uma defesa dura e com a dupla Kostadinov/Domingos, que tanto ódio me deu.
Vi aqueles jogos e senti uma coisa diferente. Um Benfica - Porto era um jogo que os jogadores sentiam, que era jogado nos limites, com entradas inacreditáveis, com ódios pessoais entre os jogadores. O nervosismo do jogo era pessoal, era como se não gostassem mesmo uns dos outros. Como dizem os espanhóis, havia morbo. E isso dava prazer, era único. Os golos não se festejavam para a televisão, festejavam-se porque marcar-lhes é a melhor coisa do mundo.
O futebol mudou. Muito. Muitíssimo. As equipas portuguesas deixaram de ser os colossos que eram, a globalização chegou aos estádios e um Benfica - porto (agora já com minúscula) como o que perdemos já não é o mesmo. A rivalidade existe, mas não é tão romântica. Quaresma também é odiável, mas ao contrário de Kostadinov, não jogou nos verdes. Rui Costa e Baía ainda continua nas fileiras, mas já velho. Baía ainda começava a carreira naqueles jogos e foi a última recordação desses tempos. Mas mais que isso, com a lei Bosman acentuou-se uma diferença grande entre eles e nós. E em 92/93, isso já se via.
Por incrível que pareça, esse Benfica de craques estava em crise. A época foi marcada por expulsões e indisciplina, ganhou-se a Taça, mas a crise financeira era tão gritante que Pacheco e Sousa fugiram no Verão. Eles não tinham tantas estrelas, mas eram organizados, tinham um estilo. Com esse filtro de selecção que foi a Lei Bosman, nós caímos e eles subiram.
Aqueles tempos não vão voltar. Paneira, Semedo, Couto e Mozer são personagens do nosso imaginário, para recordar nos jantares de revivalistas. Mas é possível, num futebol vendido ao capital, que o Benfica possa voltar a ser forte e consistente como os azuis são. Basta gestão e organização. Quando o futebol passa a viver de dinheiro, o facto do Benfica ser uma marca forte é um bónus que bem aproveitado, fará que com que o Benfica, darwinisticamente, se chegue outra vez à frente. E para isso é preciso calma e organização. É preciso deitar fora o populismo do "melhor plantel dos últimos dez anos", é preciso agarrar todo aquele que possa ser um símbolo, é preciso um director desportivo, é preciso um novo contrato televisivo. É precisa a disciplina que já em 93 não havia e eles tinham, é preciso calma quando os reforços chegam (a propósito da contestação inicial a Cardozo, alguém se lembra da primeira temporada de Liedson?), é preciso não trocar de treinador todos os anos.
Estes 14 anos passaram dolorosamente. Hoje continuo a ser um doente do Benfica. Continuo a sofrer, a ficar lixado com tudo. Mas a racionalidade tem disto, faz-nos ver coisas clarinhas, que aos 9 anos não se percebem. O Benfica é uma paixão. É uma cegueira. De besta a bestial, aqui, é em segundos. Feitos em cacos, com uma equipa de miúdos e com o único jogador verdadeiramente desequilibrador com 35 anos, acreditamos. Porque somos o Benfica.
Não quero que o Benfica perca a sua mística. Não quero deixar de ser o clube do povo. Adoro isso. Mas quero que o Benfica seja bem gerido. Quero que nos adaptemos definitivamente aos tempos e voltemos a ser o Benfica que marca golos, que mete medo. O Benfica que ganha.

5 Comments:

Anonymous Anonymous said...

O futebol teve de mudar,como mudou a sociedade.Em muita coisa para pior,mas tambem em muita coisa para melhor.Isso de dizer que em 92/93 as equipas eram temidas na Europa e agora não o são por causa da lei bosman é mt redutor.Os problemas do benfica vao muito para alem disso.Quanto ao porto,é muito melhor e ponto final.

9:37 AM  
Anonymous Anonymous said...

Que grande post que me fez reviver tanto... Caro amigo que não te conheço, parece que me descreveste naquele dia! Também com 9 anos, tava dentro do carro do meu pai a ouvir a rádio e a vibrar com esse jogo!

Tens razão... já nada é como era antes! Mas nós diminuimos muito e o Porto cresceu bastante, e a sensação de impotência e de sentir que parece que o Benfica nunca mais vai endireitar faz-me sentir uma raiva que nem quero descrever.

Falta pulso! Falta firmeza! Falta atitude, sentimento, dor... enfim!

Tou farto de populismos e de "Os benfiquistas DEVEM estar satisfeitos..." mas o que é isto???

Não me vou alongar mais... Obrigado pelo post e só espero que um dia escrevas um completamente ao contrário!

Abraço

5:05 PM  
Blogger Diogo said...

grande post. eu, ao contrario de ti e do post anterior, ja' estava nos meus 17 anos. o benfica ja' me tinha dado tremendas alegrias, algumas tristezas (o falhanco do veloso contra o psv sera' sempre um dos meus pesadelos de teenager). esse benfica, o de 92, era de facto um rol de craques. craques que nunca mais tivemos, a nao ser a espacos.

a lei bosman mudou muita coisa no futebol e por causa de um jogador que nem era nada de especial. mas fez com que clubes como o liverpool, o chelsea, o tottenham, o celtic, o shaktar, deixassem de ser clubes acessiveis (os ingleses entao, ate' essa altura, so' jogavam na base do pontape' para a frente... tanto mudou no futebol ingles no pos-bosman...) se tornassem mais apeteciveis a jogadores como o rui costa, o paulo sousa, o simao, e por ai fora.

lembrando o nosso passado glorioso, temos de trabalhar para um futuro tambem glorioso. a gestao tem de passar a ser feita com pes e cabeca, com gente que faca do clube uma empresa produtiva no dia-a-dia, no hora-a-hora. mas tenho confianca que estamos a caminhar nesse sentido. a ver vamos...

de resto, concordo com tudo o que disseste. mais uma vez, excelente post.

9:34 AM  
Anonymous Teixeira said...

Confesso.sou um saudosista...tenho saudades da velhinha Luz...do equipamento alternativo branco...das romarias á Luz e nao ao colombo...tenho saudades pronto...
mas tb olho para o futuro do Benfica com optimismo,com ponderaçao mas optimista...vejo o Benfica a nivel empresarial 2 passos á frente dos outros 2(sporting e porto)...apesar de nao gostar de algumas atitudes de LFV tb lhe dou meritos em outras coisas,que depois os outros copiam..
os ambientes dos Benfica-portos esses sao irrepetiveis,e isso tenho pena,hj o adepto comum chega ao estadio,senta-se no seu lugarzinho marcado,e qd acaba o jogo levanta-se e vai-se embora...ate por aí este classico esta a "morrer",cada vez ha menos fanaticos como nós...

6:45 PM  
Blogger T-Rex said...

Feliz Natal e um Próspero Ano Novo são os votos do blog Vedeta ou Marreta ?

7:28 AM  

Post a Comment

<< Home