Friday, August 06, 2004

Por onde andas futebol?

Vejo futebol desde que me lembro que existo. A sério. E ainda bem que o faço, porque senão, dada a minha (felizmente) tenra idade, não tinha visto o futebol mítico enquanto ainda existia.
Já discuti isto com várias pessoas (que considero saberem BASTANTE acerca do mágico jogo) e é aterrorizador pensar nos quatro semi-finalistas do Itália90 (o meu primeiro Mundial) e comparar com as equipas de agora.
A Itália de Schilacci (não sei se é assim que se escreve...), Vialli, Baggio, Bergomi, Maldini....
A Argentina de Cannigia, do guarda-redes que defendeu éne penalties - Goikotxea (também não deve estar bem escrito...) e de um tal de Diego Maradona.
A Inglaterra comandada por Robson, que tinha nas suas fileiras Gazza, Lineker, Pearce, Shilton....
E a Alemanha de Matthaus, Voeller, Kopke, Brehme, o Andreas Moller ainda puto...
Que é feito destas equipas míticas? Terão sido engolidas pelo papão chamado futebol indústria? Que é feito do Inter do trio alemão e do AC Milan do trio holandês? Terão morrido todas as equipas históricas?
Não me venham com conversas que o Real MAdrid de hoje será mítico daqui a uns anos. Todos sabemos que não. Extraordinárias eram as equipas que jogavam as competições europeias com apenas três estrangeiros (que sabíamos de cor e salteado!). Incrivel era o Barça do Cruyff, o Benfica de 93/94, o Red Star quando foi campeão europeu...

E de repente esta é outra vitória do futebol moderno. Morrem as equipas e as finais míticas. Ficam os bilhetes caros e os estrangeiros que hoje beijam o emblema e amanhã já não sabem o nome do clube.

Que é feito do meu futebol dos tempos de menino?
É a constatação mais grave da minha vida adulta: morreu.